quinta-feira, 4 de julho de 2013

Darya Saltykova -O monstro da Rússia



A vida desagradável de Darya Nikolayevna Saltykova tem semelhanças com a da igualmente bizarra e sádica Condessa Elizabeth Bathory, a mulher que tem indiscutivelmente é considerada como a pior mulher serial killer da história. Darya é menos conhecida, mas seus crimes não eram menos detestáveis, e ela compartilhou um destino semelhante ao de sua colega húngara.
Darya nasceu em 3 de novembro de 1730, e casou-se jovem, com um membro da família Saltykova de ricos e poderosos. Ela ficou viúva aos 26 anos de idade, e herdou uma grande propriedade, onde morava com seus três filhos, e mais de 600 servos. Pouco se conhece sobre a vida de Darya, além de ser devotada durante o casamento curto, e era conhecido por fazer muitas doações para igrejas e mosteiros. Ela dizia ser uma mulher "triste", e depois de sua viuvez sua atitude miserável manifestou-se em atos de sadismo indescritível contra as mulheres de sua família.

Darya odiava as mulheres, e se elas eram mais jovens do que ela, então as odiava ainda mais. Seus atos irracionais de selvageria foram especialmente destinados a mulheres grávidas. Ela tinha a fama de agredi-lás de tal forma que todos os seus ossos eram quebrados, deixando-as passarem frio nos invernos russos amargamente frios, sem roupas, olhos arrancados, e até mesmo - há rumores de que - ao recorria ao canibalismo.

Seus atos de sadismo eram especificamente contra as mulheres, mas, se outro alguém cruzasse seu caminho, poderia sofrer com sua ira. Durante sua viuvez, ela dizia ter tido um caso com um homem muito mais jovem, Nickolay Tyvtchev. Quando Darya soube que ele era casado secretamente com uma moça igualmente jovem, ela ficou tão enfurecida que o jovem casal teve que fugir para a casa de seu pai em Moscou para a segurança.


Por um longo tempo Darya iludiu justiça, simplesmente por causa de suas conexões poderosas. Porém seus atos terríveis foram levados ao conhecimento da Imperatriz Catarina II. Depois de uma investigação de seis anos, Darya foi considerada culpada de matar 38 mulheres, espancando-as e torturando até a morte. A Imperatriz tinha abolido a pena de morte, alguns anos antes, mas ela veio com uma punição engenhosa para essa mulher orgulhosa e sádica. Ela humilhou publicamente, fazendo-a sentar-se, acorrentado a uma cadeira, em uma plataforma pública, com uma placa no pescoço dizendo: "Esta mulher torturou e assassinou". As pessoas passavam durante a hora de humilhação pública de Darya para olhar para esta mulher terrível. Um espectador descreveu os olhos de Darya como "olhos que não eram deste mundo".

Uma vez que o espetáculo público acabou, Darya foi presa em uma cela debaixo do Convento Ivanovsky em Moscou. Tal como sua colega húngara, ela passou a viver seus dias em um quarto escuro sem janelas, com a permissão de ter uma vela na hora das refeições. Após 11 anos desta morte em vida, ela foi transferida para um quarto com uma janela, a partir do qual se dizia que ela iria insultar as pessoas que passassem pelo local e tentar empurra-lós com uma vara. Depois de mais de 30 anos de prisão, ela morreu em novembro de 1801.


Gostou do post? Então deixe seu comentário querido bizarrinho! Ele será bem vindo! Compartilhe nossos posts no Facebook e em outras redes-sociais e ajude o Meu Monstrinho Bizarro a crescer :)

Um comentário:

  1. não conhecia essa historia. que mulher malvada.


    http://blogdalu2013.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Saudações Bizarrinhos!
*Tentem dar sua opinião sem xingar ou ofender as pessoas e comentários anteriores ao seu.
*Sejam educados ao notificar algo de errado aqui no blog, pois do mesmo jeito que você for mal educado eu serei com você.
*Não façam comentários a cerca de religião, pois eu sou ateia e muita gente que aparece aqui também é comentários desse tipo sempre geram discussões desnecessárias.
*Aproveite que esta comentando e deixe sua sugestão de postagem também, guardarei com carinho a sugestão na minha lista de postagens.